Critica | 365 Dias (365 DNI, 2020) – Filme Netflix

Critica do filme 365 Dias, filme de 2020 distribuído pela Netflix e considerado o novo 50 Tons de Cinza por usar bastante cena de sexo. Resenha com comentários e possíveis spoilers sobre a história do filme. O titulo original do filme é 365 DNI, e foi lançado em fevereiro em algumas salas de cinema e só foi tomar notoriedade quando começou a ser exibido na Netflix em junho. Você já assistiu 365 Dias? Conta ai o que você achou sobre ele.

Critica | 365 Dias (365 DNI, 2020) – Filme Netflix

Filmes LGBT: Lista de melhores filmes com a temática

Critica | Reality Z 1ª Temporada, Série Original Netflix

Assistir Globo ao vivo online

365 dias

365 Dias não é ruim só pelo roteiro, as atuações e o ritmo do filme também são desastrosos. A história não anda e sem qualquer motivação, as coisas simplesmente acontecem de graça para um fim mais obvio que é vender cenas de sexo bem explicitas. E que em algumas dessas cenas, da para ver nitidamente o pênis do ator na boca das personagens. É asqueroso um conteúdo que deveria estar no xvideos ser colocado em uma plataforma tão popular e com uma divulgação pesada. O problema não é ter cenas de sexo e sim como elas foram realizadas e suas motivações romantizadas.

365 dias

As 2h são desnecessárias já que não há qualquer minima construção de nenhum personagem. Realmente parece um roteiro construído para um filme pornô que não interessa muito para onde a história esta indo por que quem escolheu assistir ao filme quer ver mesmo é sexo.

Romantizando abuso

365 dias

A romantização e fetichização do homem abusador, transformando toda a trajetória da vitima em uma especie de “Uma Linda Mulher” com “Diabo Veste Prada”. Mostrando cenas onde o abusador compra roupas caras para a vitima ao som de uma música alegre, faz com que tudo seja normalizado e aceitável. Muitos podem defender dizendo que o filme propõe isso. Mas acontece que histórias de pessoas sequestradas e abusadas são reais e isso não deve ser passado como algo romântico em nenhuma circunstancia. E não se trata de Síndrome de Estocolmo pois o abusador realiza uma lavagem cerebral na vitima que desde o começo só estava querendo ir embora.

365 dias

O mais impressionante é também ver que o filme tenta culpabilizar e até deixar claro que a vitima é tão culpada quanto o abusador e encerra como começou, sem proposito, de qualquer jeito. A impressão é de que se cansaram e só queriam terminar o filme o quanto antes, por que “já deu o que tinha que da”.

365 dias

365 dias

Reply