Critica Loja de Unicórnios – Uma alegoria sobre amadurecimento e Criação

Critica Loja de Unicórnios

Critica Loja de Unicórnios – Um filme original Netflix de 2019, estrelado e dirigido por Brie Larson e tem também Samuel L. Jackson e Joan Cusack no elenco. A critica é com Spoilers, se você ainda não assistiu ao filme, recomendamos que assista antes de ler o texto, caso não se importe com spoilers fica por sua conta em risco. Aqui no Audiencia da TV você também encontra outros textos de Resenha Critica.

Loja de Unicórnios (2019)

Critica Loja de Unicórnios

Uma metáfora linda sobre amadurecimento pessoal, sonhos e criatividade. Sobre como o mundo enxerga as pessoas criativas e como essas pessoas não tem espaço no mundo cinza dos empregos padrões.

Cheio de alegorias, o filme mostra a jornada de uma jovem adulta que esta decidindo se desiste de sua essência e criatividade para entrar de cabeça no mundo adulto onde, segundo a protagonista, tudo precisa ser opaco e sem vida ou se ela continua sendo quem ela é e concilia a vida adulta a seu modo de enxergar o mundo.

Logo nas primeiras cenas é percebido o contraste das cores que ela representa, com roupas coloridas em relação a sua casa que é tudo em cores neutras, incluindo os seus pais que só vestem cinza.

Critica Loja de Unicórnios

Alegorias

Pra mim, o “vendedor” vivido por Samuel L. Jackson, acredito que é uma alegoria para o subconsciente criativo de Kit (Brie Larson), que ela precisa construir uma casa para ela abrigar a sua criatividade que é representada pelo unicórnio, a casa/estabulo representa ela mesma, já que Kit precisa se aceitar para que possa abrigar a sua criatividade/unicórnio.

Resenha Critica

Eu entendi que o Virgil (Mamoudou Athie) é uma alegoria para o subconsciente adulto de Kit, já que o personagem não aparece para mais ninguém alem dela. Tem uma cena especifica que ele esta construindo o estabulo e diz que viu um tutorial no youtube e logo em seguida ele senta e assisti o vídeo no youtube ao mesmo tempo em que ela também assiste, dando a entender que ela construiu tudo sozinha.

Critica Loja de Unicórnios

Em muitos momentos o filme da dicas de que Virgil não é real, como na cena em que a mãe de Kit diz que ela esta andando com amigos imaginários e a cena em que os pais de Kit conversam com ela sobre o por que ela esta querendo construir uma nova casa e não citam Virgil em nenhum momento, mesmo aparecendo uma cena em que o pai de Kit olha pela janela e ver ela quebrando a casinha no quintal.

Retratação dos personagens

Resenha Critica

Todos os personagens são retratados de forma boba, como se não fossem interessantes aos olhos de Kit, como se fosse daquele jeito que ela enxerga eles, sem criatividade e superficiais. No escritório onde ela trabalha é mais evidente, quando na cena em que ela precisa mostrar um projeto que seu chefe pediu e todos na sala preferem o projeto sem cor e genérico do que o projeto em que ela criou. O melhor ainda foi o argumento usado para negar o projeto de Kit, ou melhor, o “não argumento”, nada é levado a série em relação a esses personagens, pois é assim que Kit enxerga eles.

Resenha Critica

No final, quando Kit entende que a sua criatividade pode ser expandida tanto do seu subconsciente infantil quanto pro adulto, ela desiste de ir atras de algo que ela ja tinha e assim Kit dar as mãos a sua atual versão de si mesma, adulta sem precisar abrir mão da criatividade.

Essa foi a minha analise do filme, cada um pode entender o filme diferente, e muitas vezes, filmes bem alegóricos como esse, sofrem de “haterismo” por ser um filme diferente e não convencional como os demais filmes que assistimos no mercado, é sempre bom aparecer filmes assim que nos fazem refletir.

Nota: 8/10