Gyuri | Documentário sobre a trajetória da fotógrafa Claudia Andujar com os Yanomami, lança trailer

Gyuri: A fotógrafa suíça Claudia Andujar, de 90 anos, atravessou a guerra na Hungria, fugiu da perseguição nazista em Viena e, depois de se exilar no Brasil, acolheu e foi acolhida pelos Yanomami, a quem dedicou grande parte de sua vida a salvaguardar. A ligação entre a artista de origem judia e a população índigena – que têm em comum a luta pela sobrevivência – está presente no documentário “Gyuri”, primeiro longa-metragem da diretora pernambucana Mariana Lacerda, que ganhou o trailer oficial nesta quarta-feira, 25 de maio, quando se completam 30 anos da Demarcação da Terra Indígena Yanomami, que sofre com os ataques do garimpo ilegal.

“Optei por viajar com o mínimo de equipamento possível e uma equipe que me fosse muito familiar, porque queria causar o menor impacto na aldeia e criar um ambiente de afeto entre todos. O filme tem o menino Gyuri enquanto espírito-guia, para contar como Claudia viu os nazistas ocuparem sua cidade e se despediu para sempre, aos 13 anos, de seu pai, deportado para Auschwitz. Seu exílio a trouxe ao Brasil, onde abraçou a causa yanomami e fez deste o seu povo, sua casa”, conta a diretora Mariana Lacerda.

Nos primeiros minutos do filme, exibido no 25º É Tudo Verdade – Festival Internacional de Documentários, Claudia narra em húngaro – com dificuldade – para o filósofo Peter Pál Pelbart cenas de sua infância e os horrores da Segunda Guerra Mundial. A fotógrafa conta a história de seu primeiro beijo, o único que lhe deu o menino judeu Gyuri. Logo depois, ele e seu pai foram levados para Auschwitz. Hoje com 90 anos, Claudia mostra a Pelbart que ainda guarda consigo a foto de Gyuri e de seu pai.

No segundo momento, o longa-metragem acompanha o reencontro de Claudia com os Yanomami, registrado pela diretora em 2018. No local, a fotógrafa é recebida pelo xamã, escritor e líder político Davi Kopenawa e pelo ativista Carlo Zacquini, missionário católico defensor dos povos originários. No filme, Kopenawa relata a admiração que sempre nutriu pela capacidade de Claudia em compreender a alma do outro. Em contraposição, critica o governo brasileiro, que nunca se importou com os indígenas.

Nos últimos quatro anos, os Yanomami sofreram diversos ataques do garimpo, agravado em 2020 com a Covid-19, levada pelo garimpo. Em abril de 2022, garimpeiros ilegais foram denunciados pelo estupro e morte de uma menina Yanomami. Em maio, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos solicitou à Corte Interamericana de Direitos Humanos uma intervenção de medidas provisórias para proteger os direitos à vida do povo Yanomami devido à “situação de extrema gravidade e urgência de danos irreparáveis aos seus direitos no Brasil”.

“Gyuri” tem recursos do Rumos Itaú Cultural, do Prodecine e do Funcultura Audiovisual, além de contar com apoio do ISA – Instituto Socioambiental, Hutukara Associação Yanomami e Galeria Vermelho. O filme é produzido por Jaraguá Produções (de Carol Ferreira e Luiz Barbosa) e Bebinho Salgado 45 (de Mariana Lacerda, Flávia Lacerda e Marcelo Lacerda). A estreia nos cinemas está marcada para 7 de julho com distribuição da Descoloniza Filmes.

Sinopse:

Uma linha geopolítica improvável entre a pequena aldeia húngara de Nagyvárad e a Terra Indígena Yanomami, na Amazônia brasileira. Judia, sobrevivente da Segunda Guerra, Claudia Andujar exilou-se no Brasil e dedicou a vida à salvaguarda dos povos Yanomami. Seu valioso acervo, sua militância incansável, seu passado de guerra e a vulnerabilidade atual dos indígenas são revistos por meio de diálogos de Andujar com o xamã Davi Kopenawa e o ativista Carlo Zacquini, com a interlocução do filósofo húngaro Peter Pál Pelbart.

Ficha Técnica: 

Direção: Mariana Lacerda

Gênero: Documentário

Duração: 1h 28min

País: Brasil

Roteiro: Mariana Lacerda e Paula Mercedes

Montagem: Mariana Lacerda e Paula Mercedes

Direção de fotografia: Pio Figueiroa e Marcelo Lacerda

Som direto: Gustavo Fioravante

Finalização: O Grivo

Design: Joana Amador

Produção: Bebinho Salgado 45 e Jaraguá Produções

Distribuição: Descoloniza Filmes

Sobre a diretora 

Mariana Lacerda é documentarista e Gyuri é o seu primeiro longa metragem. Formada em jornalismo, é mestre em História da Ciência pela PUC-SP. Escreveu e dirigiu os filmes de curta duração Menino-aranha (2008/2009), A Vida Noturna das Igrejas de Olinda (2012), Pausas Silenciosas (2013), Baleia Magic Park (2015) e Deserto (2016, apara Aparelhamento, Ocupação Funarte/SP), vencedores de alguns prêmios interessantes  e exibidos em festivais do Brasil, França, México, Lituânia e Portugal. Roteirista e diretora de quatro episódios das séries documentais para TV Expresso (Cine Brasil TV), e de um episódio de República da Poesia (Canal Curta, episódio Pagu, Musa Medusa), ambas com direção geral de Hilton Lacerda. Autora do livro Olinda (Bebinho Salgado 45/Cinemascópio 2015). Argumento, roteiro e direção da série documental para TV intitulada Histórias de Fantasmas Verdadeiros para Crianças, desenvolvida no Núcleo Criativo Cinemascópio, Recife (2016) e em fase de edição. Prêmio “melhor argumento” com o roteiro Gyuri, do primeiro RecLab, Recife, em 2016, projeto também selecionado pelo programa Rumos Itaú Cultural 2015/2016 e Funcultura 2016/2017.

Sobre a distribuidora – Descoloniza Filmes 

Fundada em 2017 por Ibirá Machado, a Descoloniza Filmes nasceu com o propósito de equiparar a distribuição de filmes dirigidos por mulheres e que tragam novas propostas narrativas e temáticas, contribuindo com a construção de uma nova forma de pensar. Em 2018, a Descoloniza lançou o filme argentino “Minha Amiga do Parque”, de Ana Katz, vencedor do prêmio de melhor roteiro no Festival de Sundance, “Híbridos – Os Espíritos do Brasil”, de Priscilla Telmon e Vincent Moon, o chileno “Rei”, de Niles Attalah, vencedor do grande prêmio do júri no Festival de Roterdã, e “Como Fotografei os Yanomami”, de Otavio Cury. Em 2019 codistribuiu junto à Vitrine Filmes a obra “Los Silencios”, de Beatriz Seigner, e levou aos cinemas “Carta Para Além dos Muros”, de André Canto. Durante a pandemia, lançou diretamente no streaming os filmes “Saudade Mundão”, de Julia Hannud e Catharina Scarpellini, e “Castelo de Terra”, de Oriane Descout, retomando os lançamentos em salas no segundo semestre de 2021, com “Cavalo”, de Rafhael Barbosa e Werner Sales, “Parque Oeste”, de Fabiana Assis, “Aleluia, o canto infinito do Tincoã”, de Tenille Barbosa, e “Sem Rosto”, de Sonia Guggisberg. Agora em 2022 prepara os lançamentos de “Gyuri”, de Mariana Lacerda, “Espera”, de Cao Guimarães, “Aquilo que eu Nunca Perdi”, de Marina Thomé, “Para Onde Voam as Feiticeiras”, de Eliane Caffé, Carla Caffé e Beto Amaral, dentre outros.