Baseado em HQ de Danilo Beyruth, “Princesa da Yakuza”, novo thriller de Vicente Amorim, termina filmagens em São Paulo e divulga primeiras imagens

Princesa da Yakuza tem filmagens finalizadas

Terminaram em São Paulo as filmagens de “Princesa da Yakuza”, novo thriller de Vicente Amorim (“Motorrad”, “A Divisão”), baseado na HQ “Samurai Shirô”, de Danilo Beyruth (“Bando de Dois”), um dos maiores nomes das HQs nacionais. Estrelado por Masumi, Jonathan Rhys Meyers e Tsuyoshi Ihara, o longa teve cenas rodadas em São Paulo, na capital, e em Paranapiacaba, em Santo André. O filme é produzido pela Filmland Internacional, de LG Tubaldini Jr. e André Skaf, responsáveis pelos sucessos “Motorrad” e “Divórcio”. A Warner Bros Pictures assina a distribuição.

Princesa da Yakuza

Na história original de Beyruth, um chefe da Yakuza é morto no Japão e sua única herdeira é enviada para o Brasil ainda bebê para ser protegida. Vinte anos depois, vivendo em São Paulo, Akemi (Masumi ) descobre que herdou metade do clã Yakuza e que a outra metade a quer morta. Takeshi (Tsuyoshi Ihara), mafioso fiel ao falecido chefe, vem ao Brasil para informá-la de seu destino.  Ao mesmo tempo, um estrangeiro sem memória (Jonathan Rhys Meyers) acorda num hospital e cruza seu caminho.  Akemi vai começar uma guerra e traçar seu próprio destino.

Critica | Projeto Gemini (Gemini Man) – 2019

Critica | Campo do Medo (In the Tall Grass) – 2019

Critica | Coringa (Sem Spoilers) – 2019

Princesa da Yakuza é um thriller nipo-brasileiro-americano cheio de ação. Mas é ao mesmo tempo um filme-babel sobre amadurecimento e identidade na maior metrópole do Brasil. É uma aventura com samurais, ronins e uma heroína sem medo.  Como fomos nós, realizadores, na hora de encarar esse desafio.  Um desafio à altura das nossas referências mais ousadas.” explica o diretor Vicente Amorim, que cita como referências filmes como “Akira”, “Logan”, “O Poderoso Chefão” e os longas de Takeshi Kitano e Takashi Miike.

Princesa da Yakuza

“A adaptação para filme é um processo engraçado porque de repente a história que saiu da sua cabeça se transforma em imagens em movimento. O que era uma visão minha passa pelo filtro não só do diretor, o Vicente Amorim, mas também pela atuação dos atores, por toda a equipe que colabora com o filme e se transforma em algo novo. Estou muito animado com o projeto e muito confiante com o que tenho visto”, afirma Danilo Beyruth.

O elenco é estrelado por Masumi, atriz e compositora nipo-americana que estreia seu primeiro longa-metragem; pelo premiado ator irlandês Jonathan Rhys Meyers, conhecido por “Matchpoint”, de Woody Allen, “O 12º Homem”, de Harald Zwart, pelas séries “Vikings” e “The Tudors”, além da minissérie “Elvis”, que lhe rendeu o Globo de Ouro; e pelo ator japonês Tsuyoshi Ihara, conhecido pelos filmes “Cartas para Iwo Jima”, de Clint Eastwood, e “Corações Sujos”, de Vicente Amorim.

Princesa da Yakuza

“Estamos investindo no cinema de gênero, um segmento no qual acreditamos muito, há muito talento no Brasil. Fazer um cinema de fantasia saindo daqui é um desafio enorme, mas vale cada passo. A repercussão internacional que estamos vendo e nossos projetos confirma o caminho que estamos trilhando. Quero também montar um estúdio para agregar os maiores talentos do HQ nacional”, revela o produtor LG Tubaldini Jr.

As filmagens em São Paulo duraram sete semanas, entre julho e setembro de 2019.  Segundo o diretor, a cidade será também uma personagem da história e, apesar de reconhecível, estará retratada de forma hiperrealista.

SINOPSE:

Um chefe da Yakuza é morto no Japão e sua única herdeira é enviada para o Brasil ainda bebê. Vinte anos depois, vivendo em São Paulo, Akemi (Masumi) descobre que herdou metade do clã da Yakuza e que a outra metade a quer morta. Takeshi (Tsuyoshi Ihara), mafioso fiel ao falecido chefe, vem ao Brasil para protegê-la. Ao mesmo tempo, um estrangeiro sem memória (Jonathan Rhys Meyers) acorda num hospital e cruza seu caminho. Akemi vai começar uma guerra e traçar seu próprio destino.