Tarsilinha estreia na Amazon Prime Video

Tarsilinha, animação de Celia Catunda e Kiko Mistrorigo, entrou em cartaz no catálogo da Amazon Prime Video. O filme foi lançado nos cinemas do Brasil em março de 2022, com distribuição da H2O Films, e ficou nove semanas em cartaz, além de ter sido selecionado para 12 festivais nacionais e internacionais. Este mês, o longa será exibido no  Children’s International Film Festival, na Austrália, com sessões até dia 13 de junho. Em parceria com a agente de vendas MultiVisionnaire Pictures, de Los Angeles, Tarsilinha também participou do Marché du Film, em Cannes, e do Veneza Film Market.

audiencia da tv

resenha critica

bastidores da tv

tudo tv

Últimas noticias

resumo das novelas

Noticias dos famosos

Os diretores também são os responsáveis pelas animações infantojuvenis Peixonauta Show da LunaA Pinguim Content prepara a produção de um novo longa-metragem de animação, Nihonjin, baseado no livro de mesmo nome. O filme conta a história de Noboru, um garoto que descobre a história da sua família, desde a chegada do seu avô que veio do Japão. A direção será assinada por Celia Catunda, com a produção executiva de Kiko Mistrorigo e Ricardo Rozzino.

Festivais:

2021 Shanghai International film Festival
2021 Chilemonos
2021 Kino Brazil (República Tcheca)
2021 Mostra Internacional de Cinema de SP
2021 Mostra Internacional de Cinema Infantil de Florianópolis
2021 Seoul International Cartoon and Animation Festival
2021 C​hicago International Children’s Film Festival
​2021 Cartoons on the Bay ​(Itália)
​2021 Festival Internacional de Cinema Infantil
2022 Belmont World Film (EUA)
​2022 Children’s International Film Festival (Australia)
2022 Buenos Aires Festival Internacional de Cine Independiente

Tarsilinha

A relevância histórica e cultural de um dos principais nomes das artes plásticas do Brasil se converte em uma lúdica aventura em Tarsilinha, animação de Celia Catunda e Kiko Mistrorigo. O longa-metragem, produzido pela Pinguim Content, explora durante a trama todo o universo visual da modernista Tarsila do Amaral (1886 – 1973). A personagem principal do filme mergulha na experiência sensorial proporcionada por obras da artista para tratar de temas como memória,amadurecimento e coragem.  

“O filme não tem uma narrativa apenas infantil. Há um segundo nível de leitura que você pode tratar e interpretar bastante sobre a assimilação de culturas diferentes para a criação de coisas novas ou sobre a memória”, explica Celia. Kiko sublinha o fato de Tarsilinha chegar ao público no mesmo ano em que é comemorado o centenário da Semana de Arte Moderna de 1922: “A coincidência de datas é uma grande oportunidade de mostrarmos a nossa grande artista para as novas gerações e como ela estava à frente do seu tempo”. 

Tarsilinha fez sua estreia internacional no Festival de Xangai (China), foi escolhido o melhor longa-metragem de animação latino-americano no Festival Chilemonos (Chile) e selecionado para o Festival de Chicago (EUA). A animação não conta a vida da artista plástica – cuja obra é reconhecida como uma das mais importantes para o Modernismo no Brasil –, mas assume como ponto de partida a paisagem rural, com a qual Tarsila do Amaral conviveu de fato, para apresentar a protagonista e sua mãe.  

A experiência dos espectadores do filme tem como base a paleta de cores, o traçado e as nuances das obras. A aventura começa quando a personagem principal, homônima ao filme, tenta recuperar os bens mais preciosos de sua mãe: as suas mais marcantes recordações. O desafio passa a ser superar os obstáculos para conseguir resgatar esse tesouro e voltar para casa. Para alcançar esse objetivo, Tarsilinha se depara com vilões perigosos.  

No entanto, ao longo da jornada, aparecerão valentes aliados, sem os quais não será possível driblar os obstáculos. Tantos os aliados quanto os oponentes de Tarsilinha nesse percurso ganham vida a partir de quadros da modernista. Da obra “A Cuca”, por exemplo, saem os vilões Lagarta e Tatu Pássaro. Daquele cenário, imaginado por Tarsila do Amaral, também surge o Sapo, fiel parceiro da protagonista diante de tamanhas adversidades. Os ambientes que compõem o longa-metragem também estão presentes em outros itens do acervo da artista. 

“O próprio roteiro foi criado em cima do passeio sobre essas obras que a gente escolheu. Então a gente estruturou o filme em macro ambientes, que eram os quadros”, comenta Celia. As vozes dos personagens também são o destaque da animação. A Lagarta é interpretada pela atriz Marisa Orth, ao passo que o funcionário da estação de trem recebe a voz do apresentador MarceloTas. “A locução é determinante para um personagem na animação. O nosso caminho até as escolhas foi muito intuitivo e criterioso ao mesmo tempo”, reconhece Kiko.