Tabata Amaral declara apoio a Lula: “deixar diferenças de lado para reconstruir o país”

A deputada federal Tabata Amaral, do PSB-SP, publicou em suas redes sociais, mostrando seu apoio a Lula e Alckmin para as eleições 2022. No texto publicado tanto no Twitter quanto no Instagram, Tabata disse para deixar as diferenças de lado e unir forças para reconstruir o país.

Do mesmo partido de Moro, Luciano Bivar desiste de candidatura e para apoiar Lula

“O pesadelo vai acabar em 2 de outubro. Pra cima deles!” diz Boulos em apoio a Lula

51% dos jovens estão com Lula, mais que o dobro de Bolsonaro que são 20%, diz Datafolha

Confira:

O texto completo:

O momento atual exige coragem e lucidez. Coragem para se posicionar. Lucidez para deixar nossas diferenças de lado e unir forças para reconstruir o país. Hoje, respeitando os que pensam de forma diversa, entendo que a única frente ampla viável é a constituída por Lula e Alckmin e que, para derrotar Bolsonaro no 1º turno, esse posicionamento precisa ser feito agora.

Decidi entrar na vida pública porque entendi que é somente por meio da política que o nosso sonho de uma escola pública e de qualidade poderá se concretizar. Mas o que mais presenciei nesses últimos quatro anos foram tentativas constantes de destruição. E não só da nossa educação. De tudo aquilo que é caro para mim: democracia, meio ambiente, vida, nossos direitos enquanto mulheres, a luta contra a extrema pobreza.

Lula e Alckmin estão comprometidos com a renda mínima e o fortalecimento da educação básica e da pesquisa. Entendem que a proteção do meio ambiente e o combate às desigualdades são essenciais ao nosso crescimento. Que não podemos permitir que 33 milhões de brasileiros continuem sem ter o que comer. Temos o enorme desafio de reconstruir o nosso país, e essa reconstrução só será possível com a nossa união.

Os próximos 65 dias serão decisivos para o futuro do nosso país. Já estamos vivendo episódios inaceitáveis de violência política e questionamentos ao processo eleitoral. Diante desse quadro, não me posicionar não é uma opção. E o meu lado é o da democracia, da educação e daqueles que mais precisam.



Reply