Discurso do Presidente Lula cobrando líderes europeus é o mais aplaudido em Paris

Presidente brasileiro recebe aplausos calorosos em cúpula global

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva conquistou uma reação entusiástica de seus colegas e líderes internacionais durante a Cúpula para um Novo Pacto Financeiro Global, realizada em Paris nesta sexta-feira.

A fala de Lula foi amplamente aplaudida, sendo a mais ovacionada até agora entre as intervenções dos chefes de governo, Estado e representantes de organizações internacionais.

O presidente brasileiro reiterou seu posicionamento sobre a desdolarização da economia, questionando a necessidade de realizar transações comerciais em dólar entre o Brasil, a Argentina e a China.

Lula afirmou que esse assunto será discutido nas próximas reuniões do G20 e dos Brics, agendadas para o segundo semestre deste ano. Além disso, ressaltou a importância de incluir mais países africanos nessas discussões.

Logo após o discurso de Lula, o presidente sul-africano Cyril Ramaphosa assegurou que a desdolarização será prioridade na cúpula dos Brics, que ocorrerá em seu país, tranquilizando o presidente brasileiro.

Ordem cronológica Marvel

Dicas de Filmes Netflix

Os Melhores filmes de todos os tempos

Filmes de terror antigos

A plateia aplaudiu entusiasticamente quando Lula afirmou que cumprirá suas promessas de combate ao desmatamento, preservação do meio ambiente e erradicação da fome no Brasil.

“Se eu pudesse, convidaria o chanceler alemão para ser o ministro de Minas e Energia do meu país”, disse Lula. “Estou ansioso para fazer um acordo com a União Europeia, mas uma carta adicional representa uma ameaça.”

O presidente também chamou seu antecessor, Jair Bolsonaro, de “fascista”, destacando os retrocessos democráticos, a falta de investimentos nas universidades e a deterioração social e econômica durante seu governo.

Lula ressaltou a necessidade de reconstruir o país e destacou a importância da questão climática, comprometendo-se a controlar o desmatamento e a eliminar completamente o desmatamento na Amazônia até 2030.

De acordo com Lula, sem uma mudança no sistema de governança global, os acordos internacionais não serão cumpridos. Ele criticou a falta de ênfase na luta contra a desigualdade nas reuniões internacionais, enfatizando a importância de abordar a desigualdade salarial, racial, de gênero, na educação e na saúde.

O presidente ressaltou que os pobres são a solução e não o problema, instando a inclusão deles no orçamento nacional para evitar que sejam sempre deixados de lado após as eleições.

Lula também criticou duramente o sistema de governança global e os bancos internacionais, apontando o empréstimo irresponsável do FMI à Argentina e a falta de prestação de contas do governo argentino na época.

O presidente brasileiro defendeu a revisão das instituições criadas após a Segunda Guerra Mundial, afirmando que elas não estão funcionando adequadamente.

audiência da tv ao vivo

assistir globo ao vivo 2022

Bolo da Arlequina

amanda seyfried

No final de seu discurso, Lula convidou seus colegas e a comunidade internacional a visitarem o Brasil durante a COP30, em 2025, em Belém, e mencionou a cúpula dos países amazônicos que ocorrerá em 12 de agosto na capital paraense, buscando propostas conjuntas para a COP22.

Lula encerrou sua fala cumprimentando o presidente francês Emmanuel Macron, anfitrião do encontro, e mencionando a ex-presidente Dilma Rousseff, atual chefe do Banco de Desenvolvimento dos Brics.

Com um discurso cativante e poderoso, Lula conquistou a admiração dos presentes e mostrou sua determinação em enfrentar os desafios globais e promover mudanças significativas.




Reply

Deixe uma resposta