Filmes Brasileiros 2018 | 15 Melhores filmes desse ano

Filmes Brasileiros 2018

Filmes Brasileiros 2018 – Confira os 15 melhores longas nacionais lançados no ano de 2018. Uma lista com alguns dos filmes mais premiados e que tiveram relevância no ano. Em 2018, percebemos que as populares comédias perderam um pouco de força e público; novos talentos surgiram para os espectadores; cinebiografias ficaram um pouco de lado, mas apareceram com qualidade; atores esbanjaram talento e foram premiados mundo afora; a participação brasileira em festivais internacionais ganhou força; realizadores lutaram por reconhecimento, principalmente em relação aos curtas-metragens; e tudo indica que estamos, naturalmente, criando uma nova identidade para o nosso cinema; seja por conta da vontade de mostrar quem somos (na comédia, no terror, no romance, no drama, no documentário) ou por necessidade de retratar situações conturbadas que veem rondando o Brasil em todas as áreas.

15º: ALGUMA COISA ASSIM
Dirigido por Esmir Filho e Mariana Bastos

Filmes Brasileiros 2018

Desenvolvido a partir do curta-metragem homônimo premiado em Cannes, em 2006, Alguma Coisa Assim, de Esmir Filho e Mariana Bastos, acompanha três momentos-chave da vida dos personagens Mari, interpretada por Caroline Abras, e Caio, vivido por André Antunes. Os diretores reuniram-se em 2013 com o objetivo de dar sequência à história, captando o reencontro dos personagens, vividos pelos mesmos atores, em São Paulo e, posteriormente, num novo momento, em Berlim, em 2016. O resultado dos três encontros ao longo de uma década é o longa-metragem que mergulha na transformação da relação entre os dois através dos tempos e propõe uma reflexão sobre temas atuais, como sexualidade, rótulos, aborto e novas formas de família. Alguma Coisa Assim teve sua estreia no Festival do Rio do ano passado, onde saiu premiado como melhor montagem; e foi vencedor de dois Coelhos de Prata no Festival Mix Brasilmelhor roteiro e melhor interpretação para Caroline Abras. Depois foi exibido nos festivais de GuadalajaraOutshine Film Festival e Portland Film Festival, entre outros.

Critica | Eli (Filme Original Netflix, 2019) – Honesto e Surpreendente

Critica | Zumbilândia 2 – Atire Duas Vezes (2019)

Critica | Fratura (Filme Original Netflix, 2019) – Extremamente Previsível

14º: TODAS AS CANÇÕES DE AMOR
Dirigido por Joana Mariani

Filmes Brasileiros 2018

Dois casais, dois momentos opostos de uma relação. Um começo, um fim. Quando Ana e Chico, recém-casados, se mudam para o novo apartamento, encontram uma fita cassete que Clarice gravou para Daniel, os ex-moradores, no momento em que os dois viviam uma separação. Essas histórias, separadas pelo tempo mas unidas pelo espaço e pela música, são narradas em Todas as Canções de Amor, filme de estreia de Joana Mariani na ficção. Vencedor do Prêmio da Crítica de melhor filme brasileiro na 42ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, o longa traz no elenco Marina Ruy BarbosaBruno GagliassoJulio Andrade e Luiza Mariani. Com direção musical de Maria Gadú, a trilha passeia por músicas populares de gêneros diversos, com participações especiais de Gilberto Gil e Maria Bethânia, além de nomes da nova geração da música brasileira, como IzaLiniker e Nina Maia.

13º: CANASTRA SUJA
Dirigido por Caio Sóh

Filmes Brasileiros 2018

Exibido na Mostra Internacional de Cinema em São PauloCanastra Suja gira em torno do drama de uma família simples que enfrenta diversos conflitos. Durante a trama, o conceito familiar desaba aos poucos. Com temas desenvolvidos com muita naturalidade e sabedoria, o longa foi eleito o melhor filme do LABRFFLos Angeles Brazilian Film Festival, no ano passado, e venceu em outras três categorias: melhor ator para Marco Riccamelhor direção e melhor ator coadjuvante para Pedro Nercessian. Com trilha sonora assinada por Maria Gadú e fotografia de Azul SerraCanastra Suja conta também com Adriana EstevesBianca BinCacá OttoniDavid JuniorJoão VanciniMilhem CortazRemo Rocha e Emilio Orciollo Netto no elenco.

12º: LEGALIZE JÁ – AMIZADE NUNCA MORRE
Dirigido por Johnny Araujo e Gustavo Bonafé

Filmes Brasileiros 2018

Com canções de denúncia social e resistência, os amigos Skunk e Marcelo, atualmente conhecido como Marcelo D2, deram os primeiros passos com a banda Planet Hemp. A relação de ambos é tema de Legalize Já – Amizade Nunca Morre. Interpretado por Ícaro SilvaSkunk é um artista que sonha em ganhar a vida com o seu talento, enquanto Marcelo, vivido por Renato Góes, trabalha como camelô e não reconhece o potencial que tem como compositor e cantor. A cinebiografia conquistou o prêmio de melhor ficção brasileira segundo o público da 41ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo e também o de melhor longa-metragem pelo Júri Popular e melhor roteiro no 12º Fest Aruanda do Audiovisual Brasileiro, além de ter participado do Festival do Rio no ano passado. O cantor Marcelo D2 participou desde o início do projeto, que durou nove anos, e assina o argumento do filme junto com Johnny Araujo, além de ser um dos responsáveis pela trilha sonora. Com roteiro de Felipe Braga, o longa conta também com Ernesto AlterioMarina ProvenzzanoStepan NercessianRafaela Mandelli e Shirley Cruz no elenco.

11º: O SEGREDO DE DAVI
Dirigido por Diego Freitas

Filmes Brasileiros 2018

Escrito e dirigido por Diego FreitasO Segredo de Davi mostra Nicolas Prattes no papel de um anti-herói cheio de mistérios, em uma trama focada em um jovem universitário que se transforma em um famoso serial killer. Na história, Davi é um tímido estudante de cinema que esconde um passado sombrio. Ao visitar sua vizinha Maria, um instinto esquecido vem à tona e Davi comete o seu primeiro assassinato. Na manhã seguinte, para surpresa de Davi, Maria reaparece em seu apartamento e passa a influenciar o garoto a seguir numa jornada de crimes que revelarão sua verdadeira natureza: a de um serial killer. O longa foi selecionado para o Festival Internacional de Cinema de Montreal (Montreal World Film FestivalMWFF) e foi exibido também no Rio Fantastik Festival 2018 e na 26ª edição do Festival Mix Brasil de Cultura da Diversidade. No LABRFFLos Angeles Brazilian Film Festival, deste ano, recebeu dois prêmios: melhor ator para Nicolas Prattes e melhor atriz para Neusa Maria Faro. O elenco conta também com João CôrtesCris ViannaBianca MüllerEucir de SouzaGiselle de PrattesTuna Dwek e André Hendges.

10º: AS BOAS MANEIRAS
Dirigido por Marco Dutra e Juliana Rojas

Filmes Brasileiros 2018

Em agosto deste ano, As Boas Maneiras recebeu o Prêmio Especial do Júri da Competição Internacional do 70º Festival de Cinema de Locarno. Depois disso, passou pelo Festival do Rio e saiu como o grande vencedor da 19ª edição com cinco prêmios, incluindo o de melhor filme de ficção. O longa é uma fábula de horror e fantasia que parte do envolvimento de duas mulheres de mundos opostos. Clara, papel de Isabél Zuaa, é uma enfermeira da periferia de São Paulo contratada para ser a babá do filho que Ana, interpretada por Marjorie Estiano, está esperando. Uma noite de lua cheia provoca uma inesperada mudança de planos e Clara assume a maternidade de uma criança diferente das outras. O longa foi indicado ao Prêmio Iberoamericano de Cine Fénix 2018 nas categorias de melhor ficção e edição e exibido no Festival de Cinema Brasileiro de Miami e na Mostra Internacional de Cinema em São Paulo. O elenco conta também com Cida MoreiraAndréa MarqueeMiguel LoboGilda NomacceEduardo GomesFelipe KenjiNina MedeirosNeusa Velasco, entre outros.

9º: ARÁBIA
Dirigido por Affonso Uchoa e João Dumans

Filmes Brasileiros 2018

Dirigido por Affonso Uchoa e João DumansArábia foi o grande vencedor do 50º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro com cinco prêmios: melhor filmemelhor ator para Aristides de Sousamontagemtrilha sonora e Prêmio da AbraccineAssociação Brasileira de Críticos de Cinema. O longa também foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Roterdã na Competição Oficial. Na história, acompanhamos a vida comum de um trabalhador, com frustrações, sofrimento e felicidade, revelando uma realidade obscura do desenvolvimento social e econômico no Brasil dos últimos dez anos. O filme narra diversas situações através da trajetória de Cristiano, um operário de uma velha fábrica de alumínio, que sofre um acidente no trabalho e desperta a curiosidade de André, um jovem morador do bairro vizinho. Narrado em primeira pessoa, ou seja, é o personagem Cristiano que conta a própria história, o longa é um retrato político da vida de pessoas marginalizadas. Recentemente, levou o Prêmio APCA 2018, da Associação Paulista de Críticos de Artes, de melhor filme do ano.

8º: AOS TEUS OLHOS
Dirigido por Carolina Jabor

Filmes Brasileiros 2018

Inspirado na peça O Princípio de Arquimedes, do autor espanhol Josep Maria Miró, e dirigido por Carolina Jabor, de Boa SorteAos Teus Olhos foi exibido em diversos festivais nacionais e internacionais. Recebeu os prêmios de melhor roteiro (Lucas Paraizo), ator (Daniel de Oliveira), ator coadjuvante (Marco Ricca) e melhor longa de ficção pelo voto popular no Festival do Rio; também conquistou o Prêmio Petrobras de Cinema na 41ª Mostra de São Paulo de melhor filme de ficção brasileiro e os prêmios de melhor direção no 25º Festival Mix Brasil e melhor filme da mostra SIGNIS no Festival de Havana. O longa conta a história de Rubens, um professor de natação infantil que sofre uma acusação inesperada de uma mãe, via rede social, que provoca um linchamento virtual imediato. A denúncia se espalha rapidamente em grupos de mensagens na internet e mesmo as pessoas mais próximas a Rubens, como a diretora da escola e um colega de trabalho, ficam em dúvida sobre suas ações e intenções provocando um julgamento apressado da situação.

7º: FERRUGEM
Dirigido por Aly Muritiba

Filmes Brasileiros 2018

Depois de sua estreia mundial no Festival de Sundance deste ano e de ser exibido em outros festivais ao redor do mundo, como Taipei Film Festival, em Taiwan, Seoul International Women’s Film Festival, na Coreia do Sul, San Sebastian International Film Festival e no Giffoni Film Festival, na Itália, Ferrugem foi exibido pela primeira vez no Brasil na mostra competitiva de longas do 46º Festival de Cinema de Gramado e saiu de lá como o grande vencedor. Além do kikito de melhor filme, levou também os prêmios de melhor roteiro e melhor desenho de som. Dirigido por Aly Muritiba, de Para Minha Amada Morta, o filme mergulha no universo jovem para contar a história de Tati, uma adolescente cheia de vida, que gosta de compartilhar seus melhores momentos nas redes sociais e que terá sua vida virada do avesso quando algo que ela não queria compartilhar com ninguém cai no grupo de WhatsApp do colégio. Com supervisão de roteiro de George Moura, o elenco conta com Tiffanny DopkeGiovanni De LorenziClarissa KisteDudah AzevedoEnrique DiazPedro Inoue e Igor Augustho.

6º: O PROCESSO
Dirigido por Maria Augusta Ramos

Filmes Brasileiros 2018

Premiado no Festival Internacional de Documentário de Buenos Aires e Madrid, no Festival Indie Lisboa, em Portugal, e vencedor do prêmio de melhor longa-metragem da Competição Internacional do Festival Visions du Reel, em Nyon, na Suíça, O Processo oferece um olhar pelos bastidores do julgamento que culminou no impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff em 31 de agosto de 2016. O filme testemunha a profunda crise política e o colapso das instituições democráticas no país. O longa estreou mundialmente em fevereiro no Festival de Berlim e foi escolhido pelo público como o terceiro melhor documentário da mostra Panorama. Além disso, foi exibido fora de competição na 23ª edição do É Tudo Verdade – Festival Internacional de Documentários e indicado ao Prêmio Iberoamericano de Cine Fénix. Para realizar O ProcessoMaria Augusta passou vários meses em Brasília, sua cidade natal, acompanhando cada passo do processo de impeachment, somando 450 horas de material filmado. Sem fazer entrevistas ou intervir nos acontecimentos, ela e sua equipe circularam por corredores do Congresso Nacional, filmaram coletivas de imprensa, registraram as votações na Câmara dos Deputados e no Senado e testemunharam bastidores nunca mostrados em noticiários.

5º: O BEIJO NO ASFALTO
Dirigido por Murilo Benício

Filmes Brasileiros 2018

Numa adaptação ousada e diferente, que mescla teatro e cinema em preto e branco, Murilo Benício faz sua estreia na direção no filme O Beijo no Asfalto, baseado na peça escrita por Nelson Rodrigues. Na trama, Lázaro Ramos vive Arandir, um homem que, sem pensar, atende ao pedido de um beijo na boca feito por outro homem prestes a morrer ao ser atropelado na Avenida Presidente Vargas, no Rio de Janeiro. Tal gesto banal vira uma matéria sensacionalista de Amado, papel de Otávio Müller, um repórter que cria uma fake news e passa a explorar o beijo entre dois homens para vender mais jornal. A versão criada pelo jornalista incita a polícia a investigar uma suposta ligação entre Arandir e o morto e cria dúvidas na cabeça de Selminha, vivida por Débora Falabella, mulher de Arandir e filha de Aprígio, interpretado por Stênio Garcia, que, misteriosamente, insiste na ideia de que presenciou o beijo, quando, na verdade, estava de costas. O projeto do filme levou dez anos para se realizar e foi exibido na 41ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, onde ficou entre os finalistas ao Troféu Bandeira Paulista. O elenco conta também com Fernanda MontenegroAugusto MadeiraLuiza TisoAmir HaddadMarcelo FloresRaquelFabbri e Arlindo Lopes. A fotografia é assinada por Walter Carvalho, a direção de arte por Tiago Marques Teixeira, a montagem por Pablo Ribeiro e a trilha é de Berna Ceppas.

4º: BARONESA
Dirigido por Juliana Antunes

Filmes Brasileiros 2018

Após se mudar para Belo Horizonte, a diretora Juliana Antunes logo percebeu que a capital mineira tinha vários bairros com nomes de mulher e a maioria deles levava para a periferia. Este foi o ponto de partida para a construção da história de Baronesa. O longa mostra o dia a dia de duas vizinhas e amigas que moram na periferia de BH. De um lado, Andreia Pereira de Souza começa a construir sua casa para se mudar. Do outro, Leid Ferreira e os filhos estão à espera do marido, que está preso. Em comum, a necessidade de se desviar dos perigos da guerra do tráfico e a estratégia para evitar as tragédias trazidas como consequência. Baronesa foi exibido no encerramento do 6º Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba e premiado em diversos festivais, como: Mostra de Cinema de TiradentesFestival de HavanaFestival Internacional de Cine de Mar del PlataFestival de Cine Internacional de Ourense, na Espanha; FIDMarseille, na França; Janela Internacional de Cinema do RecifePanorama Internacional Coisa de Cinema, em Salvador; Festival de Cinema de Vitória; entre outros. Além disso, foi indicado ao ao Prêmio Iberoamericano de Cine Fénix 2018.

3º: AUTO DE RESISTÊNCIA
Dirigido por Natasha Neri e Lula Carvalho

Filmes Brasileiros 2018

Grande vencedor do 23º É Tudo Verdade – Festival Internacional de DocumentáriosAuto de Resistência fala sobre homicídios praticados pela polícia contra civis, no Rio de Janeiro, em situações inicialmente classificadas como legítima defesa. O morto é acusado de ser traficante e ter trocado tiros com a polícia, mas a narrativa policial é posta em cheque pelo surgimento de vídeos e pela luta de mães que tentam provar a inocência de seus filhos. O filme retrata o embate de versões no julgamento de casos nas varas dos Tribunais do Júri, os bastidores das investigações policiais e a Comissão Parlamentar de Inquérito estadual instaurada para apurar o alto índice de mortes decorrentes da ação da polícia. O documentário se debruça sobre tipos específicos de homicídios e a forma como o Estado lida com essas mortes. O ponto de partida para abordar o tema são personagens que vivenciam esse cotidiano de mortes. Através da linguagem do cinema direto, a câmera segue os passos de atores sociais que têm suas vidas impactadas ou atuam em casos de autos de resistência. O filme transporta o espectador para a rotina de personagens que vivenciam esse cotidiano de mortes no Rio. A existência de vídeos das operações e o ativismo de familiares empurram as engrenagens da Justiça, e o veredicto final está nas mãos da sociedade.

2º: RASGA CORAÇÃO
Dirigido por Jorge Furtado

Filmes Brasileiros 2018

Exibido na 42ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo e no Festival do RioRasga Coração, de Jorge Furtado, é uma adaptação da peça homônima escrita no início dos anos 1970 por Oduvaldo Vianna Filho, o Vianinha. Com o título emprestado de uma canção de Anacleto de MedeirosRasga Coração é a última peça de Vianinha, que a concluiu em 1974, já debilitado por um câncer no pulmão. Ele nunca chegou a vê-la no teatro. Além de censurada, teve sua encenação e publicação proibidas e mesmo assim recebeu o primeiro prêmio no concurso do SNT, por unanimidade da banca, sendo liberada pela Censura apenas cinco anos depois. O longa conta a história de Manguari Pistolão, interpretado por Marco Ricca, militante anônimo, que depois de quarenta anos de lutas vê o filho Luca, vivido por Chay Suede, acusá-lo de conservador. Sem dinheiro para fechar o mês, sofrendo com as dores de uma artrite crônica, e num crescente conflito com Luca, Manguari passa em revista seu passado, e se vê repetindo as mesmas atitudes de seu pai. Intercalando fragmentos de vários momentos da vida de Manguari, o filme atravessa quarenta anos da vida política brasileira. O elenco conta ainda com Drica MoraesLuisa ArraesGeorge SaumaJoão Pedro Zappa, que faz a versão jovem do papel de Marco Ricca, além de Anderson VieiraNelson DinizDuda MeneghettiKiko MascarenhasFábio Enriquez e Cinândrea Guterres.

1º: BENZINHO
Dirigido por Gustavo Pizzi

Filmes Brasileiros 2018

Um dos filmes mais bonitos e sensíveis do ano, Benzinho, de Gustavo Pizzi, teve sua estreia mundial na competição do Festival de Sundance e participou da mostra Voices no Festival de Roterdã. Venceu o prêmio de melhor filme pelo júri e pela crítica do Festival de Málaga e pelo júri do Festival de Cinema Luso-brasileiro de Santa Maria da Feira. Também participou dos festivais de GotemburgoSão FranciscoWashington DCBerkshireProvincetownEdimburgoFestival Internacional do Cinema Latino de Los AngelesFestival de Karlovy Vary, na República Checa, e no Rooftop Films Summer Series. O longa, também lançado em diversos países, conta a história de Irene, vivida por Karine Teles, que mora com o marido Klaus, papel de Otávio Müller, e seus quatro filhos nos arredores do Rio de Janeiro. Entre os empreendimentos sem sucesso do parceiro e os problemas da irmã, interpretada por Adriana Esteves, Irene se desdobra para ajudar a todos e dar atenção aos filhos. Mas é quando seu primogênito Fernando, vivido por Konstantinos Sarris, ator grego em sua estreia nos cinemas, é convidado para jogar handebol na Alemanha, que ela terá que lidar com o maior de seus problemas, a despedida antes do previsto. Em agosto deste ano, participou da 46ª edição do Festival de Cinema de Gramado e venceu os prêmios de melhor filme pelo Júri da Crítica e pelo voto do Júri Popular, além dos prêmios de melhor atriz para Karine Teles e melhor atriz coadjuvante para Adriana Esteves. Foi indicado ao Prêmio Iberoamericano de Cine Fénix e escolhido para representar o Brasil nos prêmios Goya, importante premiação realizada pela Academia das Artes e Ciências Cinematográficas da Espanha. Recentemente, foi premiado pela APCAAssociação Paulista de Críticos de Artes, na categoria de melhor roteiro.