“Fico te devendo uma carta sobre o Brasil” é selecionado para o IDFA – Festival Internacional de Documentários de Amsterdã

“Fico te devendo uma carta sobre o Brasil” na IDFA

O documentário “Fico te devendo uma carta sobre o Brasil” será o representante brasileiro da 32ª edição do IDFA – Festival Internacional de Documentários de Amsterdã, o maior festival do mundo dedicado ao gênero. O anúncio dos selecionados para as mostras competitivas foi feito nesta quarta-feira, 23 de outubro, e o evento acontece entre os dias 20 de novembro e 1º de dezembro, em Amsterdã (Holanda). “Fico te devendo uma carta sobre o Brasil”, produzido pela Daza Filmes, com coprodução Canal Brasil, VideoFilmes e Muiraquitã Filmes terá exibições nos dias 24/11, 26/11, 28/11 e 30/11, e concorre na categoria “Best First Appearance”, dedicada aos estreantes. O filme também foi selecionado para competir na categoria de melhor uso de material de arquivo (“Competition for best use of archive material”).

Fico te devendo uma carta sobre o Brasil

Em sua primeira direção de longas-metragens, a cineasta Carol Benjamin revela a história das três gerações de sua família, atravessada pela Ditadura Militar que se instalou no Brasil entre 1964 e 1985. Seu pai, César Benjamin, foi preso ilegalmente aos 17 anos, em 1971, e permaneceu como preso político por cinco anos, ficando três anos e meio desse período em uma cela solitária. A prisão e tortura do filho mais novo transformou a dona de casa Iramaya Benjamin, avó da diretora, em uma militante incansável pela anistia. A luta e a dor de ambos sempre foram, no entanto, pouco ou nada faladas em família. Ao mergulhar em uma história pessoal e a entrelaçar com a história do país – entre passado e presente – o filme investiga a persistência desse silêncio como ferramenta de apagamento da memória.

Fico te devendo uma carta sobre o Brasil

“Este filme começou como uma jornada ao passado da minha família, mas acabou esbarrando em conflitos que se mostraram vivos no presente – tanto no âmbito familiar, quanto no político. A Lei da Anistia promulgada por Figueiredo em 1979 foi uma espécie de “pacto de silenciamento”, que nos impediu de produzir memória sobre o período dos militares no poder. Este processo é muito diferente do que ocorreu em países vizinhos como Chile e Argentina, por exemplo, que possuem ampla cinematografia dedicada ao tema. E, no meu ponto de vista, esta é uma lacuna-chave para compreendermos o que está acontecendo no Brasil hoje, quando o legado da Ditadura Militar vem sendo ressignificado”, comenta a diretora Carol Benjamin.

Critica | Eli (Filme Original Netflix, 2019) – Honesto e Surpreendente

Critica | Zumbilândia 2 – Atire Duas Vezes (2019)

Critica | Fratura (Filme Original Netflix, 2019) – Extremamente Previsível

Para resgatar a história do pai, Carol inicia o filme em Estocolmo (Suécia), onde Benjamin ficou exiliado por dois anos após sair da prisão. É lá também que a diretora reencontra Marianne Eyre, membro da Anistia Internacional desde 1966, com quem Iramaya trocava cartas regularmente e de quem se tornou amiga e confidente. O filme, narrado pela diretora, é entremeado, sobretudo, pelas leituras dessas cartas, depoimentos de Iramaya captados em diferentes momentos, fotografias, e imagens raras de arquivo (incluindo a emocionante chegada de César à Suécia e de seu encontro com o irmão Cid, também um exilado político).

“Existia um pedaço da minha vida na Suécia, e eu fui lá buscar. No filme, eu tento articular documentos históricos e reportagens de jornal com escritos íntimos e registros de família, como um rastro precioso para um período do nosso passado que ainda não foi propriamente formulado no Brasil”.

Sinopse:

FICO TE DEVENDO UMA CARTA SOBRE O BRASIL revela três gerações de uma família atravessada pela Ditadura Militar Brasileira (1964-1985). Ao mergulhar em uma história pessoal e a entrelaçar com a história do país – entre passado e presente – o filme investiga a persistência do silêncio como ferramenta de apagamento da memória.

Ficha Técnica:

Direção: Carol Benjamin

Produção: Carol Benjamin, Leandra Leal e Rita Toledo

Coprodução: João Moreira Salles, Eliane Ferreira, Maria Carlota Bruno e Pablo Iraola

Produção Associada: Fernando Fraiha e Maria Barreto

Produção Executiva: Danielle Villanova, Eliane Ferreira e Maria Flor Brazil

Montagem: Marília Moraes, edt e Isabel Castro, edt

Fotografia: Mauro Pinheiro Jr., ABC

Som: Edson Secco

Roteiro: Carol Benjamin e Rita Toledo

Id. Visual: Tatiana C. Bond

Pesquisa: Patricia Machado

Produção: Daza Filmes

Coprodução: Canal Brasil, VideoFilmes e Muiraquitã Filmes

Apoio: Sonideria, Psycho n’ Look e Histórias que Ficam

Distribuição: Bretz Filmes

Duração: 88’

Idioma: Português e Inglês