Critica | Shaft (2019) – Um filme genérico e esquecível

Critica Shaft 2019

Critica – “Shaft” é o quinto filme da franquia que começou em 1971 estrelada por Richard Roundtree como o primeiro Shaft. O longa de 2019 reúne as três gerações dos “Shaft” para realizar uma missão de resgate e desvendar um possível homicídio envolvendo o melhor amigo de Shaft III.

Critica Shaft

Critica | Olhos que condenam (When They See Us) – 2019

Critica | Shazam! (2019) – Leve mas um pouco genérico

Critica | Stranger Things – 3ª Temporada (2019)

Critica Shaft
A cena inicial mostrando um ataque ao Shaft II já da a entender que o filme não vai se levar muito a sério, pois o que acontece é quase impossível de ter algum sobrevivente mas o filme ignora a veracidade e continua o história como se nada tivesse acontecido, o pior é que esse acontecimento é sempre lembrado durante a narrativa o que piora ainda mais, pois não é possível nem tentar ignorar esse fato para relevar esse erro grave.

Critica Shaft
O filme faz uma junção padrão desses filmes que é humor e ação, que muitas vezes funcionam e outras não, aqui boa parte das escolhas funcionam mas a sua maioria parece datadas e mal executadas. A linguagem tanta mesclar o padrão dos filmes anteriores com uma nova roupagem para essa nova geração. Samuel L. Jackson é o que segura, quando esta em cena ele se destaca.

Critica Shaft

A cena de abertura mostrando basicamente o crescimento do protagonista de forma passada é muito mal montada, não da para entender quase nada e o intuito maior é dar a noção de passagem de tempo e avanço da tecnologia. Os coadjuvantes amigos do personagem principal são apresentados em 3 segundos de cena dessa abertura e o filme quer que o espectador aceite que isso é o suficiente para mostrar o quanto esses personagens são ligados e são amigos até hoje, o que ao meu ver não funciona.

Critica Shaft

O ponto alto do filme é a reunião das três gerações, a pesar das cenas genéricas de ação já saturadas a química dos personagens principais funcionam quando estão agindo juntos. O excesso de informação descartável no filme deixa a narrativa cansativa de acompanhar e as vezes da a impressão de que o filme é maior do que parece. A maioria das cenas são com Jessie Usher, ele não prende a atenção e chega a ser entediante as suas participações.

Nota: 5/10